Pela 15ª vez consecutiva, os economistas das instituições financeiras reduziram a estimativa de alta do Produto Interno Bruto (PIB), de 2019. Desta vez, a redução foi de 1,13% para 1%. O relatório foi divulgado pelo Banco Central, nesta segunda-feira (10), no Boletim Focus.

As baixas na expectativa de crescimento do mercado financeiro começaram após a divulgação do resultado do ano passado – quando a economia avançou 1,1%, e continuou a cair com uma contração de 0,2% no primeiro trimestre de 2019.

O Banco Central estimou expansão de 2%, no fim de março, para a economia no Brasil. Porém, recentemente, o Ministério da Economia baixou a previsão de crescimento de 2,2% para 1,6% neste ano. O número pode ser revisto até o final de junho.

A projeção de crescimento para 2020 também foi revisada, indicando recuo. A estimativa de alta do PIB do ano que vem era de 2,50% e passou para 2,23%.

Os economistas dos bancos não alteraram a previsão de expansão da economia para 2021 e para 2022, que continuou em 2,5% para os dois anos.

 

 

Por;Juliana Gonçalves

AG Brasil