Depois de um retorno histórico para a Copa do Mundo e um desempenho bem abaixo do esperado, a seleção peruana chega a mais uma Copa América com o intuito de dificultar a vida dos adversários, incluindo o Brasil.

O Peru ficou 36 anos sem ir a um Mundial. Chegou ao torneio disputado na Rússia graças à campanha surpreendente nas eliminatórias Sul-Americana e já fez a alegria dos torcedores. Liderados por Paolo Guerrero, que conseguiu liberação especial e recebeu apoio formal de alguns capitães das seleções rivais após ser condenado por doping, os peruanos acabaram não chegando muito longe. Com duas derrotas, para a Dinamarca e a campeã França.

Um ano depois, a seleção peruana volta à uma competição oficial. Para a Copa América que será realizada aqui no Brasil, o técnico argentino Ricardo Gareca, ex-Palmeiras, tem 23 jogadores à disposição, sendo que três deles atuam em times brasileiros. O ídolo Guerrero, que joga no Internacional, Cueva, do Santos, e Trauco, que atua pelo Flamengo.

20º colocado no ranking da FIFA, o Peru foi o carrasco da seleção brasileira na última Copa América. Em 2016, na edição comemorativa de 100 anos disputada nos Estados Unidos, Los Incas despacharam o Brasil após vitória por um a zero, com gol polêmico de Ruidíaz.

A seleção peruana chega ao Brasil em busca do terceiro título continental, feito que conseguiu nas edições de 1939 e 1975. Em 2015, na Copa América vencida pelo Chile, o Peru terminou em terceiro lugar.

Na última quarta-feira, em amistoso, a seleção peruana venceu a Costa Rica por um a zero, com gol de Cueva. No domingo, faz o último teste diante da Colômbia.
Adversário do Brasil na primeira fase, o Peru tem uma defesa fraca tecnicamente, enquanto o ataque, comandado por Guerrero e Carrillo, pode surpreender. A seleção peruana estreia no sábado, dia 15, contra a Venezuela. A bola rola a partir das quatro da tarde, horário de Brasília.

 

Por; Rafhael Costa

AG Brasil/ Foto; Federacion Peruana