Em reunião com representantes do setor produtivo, nesta quarta-feira (15), a presidente da Assembleia Legislativa, deputada Janaina Riva (MDB), garantiu empenho dos deputados junto ao governo do estado para buscar alternativas que atendam aos anseios dos produtores rurais de Mato Grosso. A garantia foi dada à comitiva de representantes de produtores de soja e milho, recebida pelos deputados na sala de reuniões da presidência. Paralelamente, centenas de produtores realizavam o manifesto em frente à sede da ALMT, intitulado “Movimento Mato Grosso Forte – Quem paga imposto cobra resultado”.

Na pauta, a extinção do Fethab Milho e a destinação de 100% dos recursos arrecadados pelo Fethab commodity I e II para transporte e habitação. “Acho que não é uma pauta inviável para se tratar. Já havia uma conversação sobre o assunto. Entendemos que houve um aumento do valor do milho e agora queremos tratar com o governo do estado. Acho que não é impossível de acontecer, principalmente com uma demanda desse tamanho. Se tivessem feito isso no início do ano, sequer o Fethab do milho teria sido aprovado”, destacou a presidente, ao reafirmar o compromisso da ALMT em defesa de ações que contribuam com o desenvolvimento do estado.

Para ela, o diálogo deve prevalecer para que o resultado seja positivo. Além disso, considera que a Assembleia Legislativa está mais dinâmica, com maior diversidade de representatividade. “Não acho que seja fácil passar uma pauta como essa no momento de crise que o estado está vivendo, mas não é impossível. Bem articulado, talvez consigamos sim resolver essa questão, em contrapartida entrar numa negociação com o estado, que não pode abrir mão dos recursos arrecadados nesse momento”, esclareceu, ao acrescentar a importância da reunião que oportunizou aos representantes de falar sobre as dificuldades que estão enfrentando para continuar produzindo.

“A Assembleia não pode abrir mão de renúncia e nem interferir no orçamento do governo. Queremos ajudar e fortalecer essa articulação com o governo, para que não haja prejuízos aos produtores”, informou.

Outra questão anunciada se refere à obrigatoriedade dos municípios, que deverão prestar contas à Secretaria de Infraestrutura (Sinfra) sobre a destinação dos recursos oriundos do Fethab.

Movimento – A ação nasceu das bases, pequenos e médios produtores que se dizem insatisfeitos com a destinação dos recursos oriundos do Fethab 1 e 2 da soja e com a nova taxação, o Fethab do milho.

 

 

 

Redação cuiabahoje

Por; Itamara Figueiredo/ Foto: Marcos Lopes- AL