Embora não tenha tornado pública a denúncia entregue pelo prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) contra o governador Mauro Mendes (DEM), o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (DEM), afirmou que a documentação entregue pelo emedebista não traz nada de concreto contra o chefe do Executivo estadual. Na manhã desta quarta-feira (04), Botelho descartou a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar seu correligionário.

“Não existe nada de concreto, é um documento simples, um protocolo”, explicou Botelho, aos deputados, durante sessão plenária na última terça-feira (03). O presidente não havia mencionado o assunto, mas foi questionado pelo deputado Ulysses Moraes (DC), que pediu o compartilhamento da denúncia com todos os parlamentares da Casa. Somente Botelho e Janaina Riva (MDB) tiveram acesso ao documento, até então.

Ao Olhar Direto, Janaina disse que não daria nenhuma declaração até que Botelho tomasse alguma decisão sobre o que fazer com a denúncia entregue por Emanuel. De acordo com o presidente do Legislativo, a Procuradoria da Casa é quem irá definir o rito.

“Nós vamos chamar o procurador para discutir com ele qual encaminhamento deve ser dado. Mas possivelmente vou passar uma copia para os deputados e depois, semana que vem talvez, a gente reúne e vê se vamos encaminhar para o Ministério Público, se vamos acompanhar de longe… Não tem fundamento nenhum para a Assembleia fazer algo a mais que isso. Ele diz que recebeu informações de que a Defaz estava sendo modificada porque os delegados de lá se recusaram a fazer ações que prejudicasse ele, prefeito e administração, mas não deu nomes, nada, só fez a denúncia. Possivelmente vou criar uma comissão para acompanhar, ir na delegacia eventualmente. É o que podemos fazer”, disse Botelho.

A denúncia de Emanuel dá conta de que o governador Mauro Mendes estaria pressionando o delegado-geral da Polícia Civil, Mário Demerval, a abrir procedimentos de investigação contra o prefeito, tanto no bojo da administração da Prefeitura, como em questões relativas à vida pessoal do emedebista – o que incluiria, inclusive, uma operação que estaria prestes a ser deflagrada.

O governador, até o momento, não se pronunciou sobre a denúncia, mas conforme assessores do governo Mauro Mendes entrou em contato com alguns deputados, por telefone, para tratar do assunto.

Fonte: Olhardireto; Foto; Reprodução