09/01/2019 – A formação de organização criminosa com uso de arma de fogo, poder de comando e participação de membro da administração pública, levou o juiz da Primeira Vara do Foro de Presidente Venceslau, Gabriel Medeiros, a condenar dois integrantes de facção criminosa a 30 anos de prisão. O julgamento é consequência das denúncias da Operação Ethos, que investigou o envolvimento de advogados e integrante de Órgão dos Direitos Humanos com facção criminosa.

Segundo o magistrado, as circunstâncias foram desfavoráveis aos réus, já que houve intenso uso de armas, causando pânico em todo o País, e desvio de dinheiro público. “Estenderam tentáculos para o seio do Poder Público, agredindo valores substanciosos e caríssimos a toda sociedade brasileira, adentrando em organismos e entidades vocacionadas para a proteção dos direitos fundamentais da pessoa humana”, afirmou.

O juiz ainda negou a possibilidade dos réus recorrerem em liberdade, visto que são reincidentes e atuam em grande organização criminosa com atuação em todo o País. “Ressalte-se que a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça é pacífica no sentido de que justifica a prisão preventiva o fato de o acusado integrar organização criminosa, em razão da garantia da ordem pública, quanto mais diante da complexidade dessa organização, evidenciada no número de integrantes.” Com informações da assessoria de imprensa do TJ-SP.

Processo 0002467-65.2017.8.26.048

por; Ricardo Bonfim/ Foto; Reprodução